AnaMaria
Busca
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaYoutube AnaMariaTiktok AnaMariaSpotify AnaMaria
Carreira / Inspiração!

Empreendedorismo fashion: vendedora mudou de vida com brechó

Conheça a história de Manu Farias no empreendedorismo fashion; Ela foi a primeira funcionária do Brechó Fashion Carioca e hoje é a dona da loja

Manu Farias é dona do Brechó Fashion Carioca - Divulgação
Manu Farias é dona do Brechó Fashion Carioca - Divulgação

A chance de empreender pode estar mais próxima do que imagina. Manu Farias viu sua carreira mudar de vendedora para empreendedora quando surgiu a oportunidade de comprar a loja de sua antiga chefe. Acreditando no potencial do lugar, ela se arriscou no empreendedorismo fashion, e hoje o Brechó Fashion Carioca fatura mais de um milhão de reais.

Manu tem a veia de vendedora. Com o pai ambulante, ela, aos 7 anos, o acompanhava na feira aos domingos. Aos 11, o ajudava a vender o café da manhã em um clube. Hoje ela se consagra como empreendedora: Manu é dona do Brechó Fashion Carioca, localizado na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Com um faturamento de mais de um milhão por ano, a empresária vê o sucesso, sem esquecer dos desafios do começo. Aos 16 anos, Manu conseguiu o primeiro emprego de carteira assinada, em uma famosa rede de fast food. “Fiquei seis meses na empresa, e no sexto mês já era funcionária destaque do mês. Pedi para sair porque tive uma oportunidade no shopping, para trabalhar numa loja de calçado infantil”, relembra ela.

História no empreendedorismo fashion

Agora como empresária da área, Manu passou por diversos ramos e setores do mundo da moda. Depois da loja de calçados infantil, ela trabalhou em outra loja, mas, dessa vez, de roupas masculinas, onde ficou por quatro anos e chegou a se tornar gerente de vendas.

Aos 21 anos, Manu se viu em uma função que segue até os dias de hoje: a de ser mãe. Durante a gravidez da filha Ana Carolline, atualmente com 19 anos, ela ficou desempregada. Quando a pequena tinha seis meses, conseguiu se realocar.

Trabalhando em um Call Center, a empresária sentiu na pele as dificuldades das múltiplas jornadas. “Voltei para o mercado de call center e não me identificava. Fiquei nessa busca durante uns quatro anos, porque quando a gente está com um filho pequeno, fica difícil você coordenar o seu trabalho e prestar atenção devida ao seu filho. Foi um período conturbado”, desabafa.

O Brechó Fashion Carioca fica na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro
O Brechó Fashion Carioca fica na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro - Divulgação

Tudo mudou para ela quando conseguiu a oportunidade de ser vendedora no Brechó Fashion Carioca, inaugurado em 2009. Manu esteve presente em todas as etapas antes mesmo da abertura da loja. “Participei de todo o processo de curadoria das peças até a inauguração da loja, eu fui a primeira funcionária e nele eu estou até hoje”, afirma.

Durante seu tempo como vendedora, ela conheceu cada detalhe, desde o atendimento aos clientes, curadoria das peças, conhecimento das marcas. “Na época eu não conhecia todas [as marcas], então, o dia a dia me trouxe esse conhecimento, era um universo totalmente novo”. Nascia assim sua paixão pelo empreendedorismo fashion e, para ela, a maternidade foi o quesito que mais a impulsionou na tomada de decisão de empreender.

Empreendendo? Veja o guia prático para organizar as contas do seu negócio

De vendedora a empreendedora

Manu relembra que na época do início do brechó ainda existia uma grande resistência em comprar peças de segunda mão. Algo que hoje tem mais espaço no mercado. Visionária, ela entendeu o potencial do negócio, sendo a única funcionária e alguém que cuidava de todos os segmentos da empresa. A antiga dona era uma socialite da Barra da Tijuca, que viajava muito e confiava nela para cuidar de tudo.

Em 2013, a antiga patroa precisou se mudar do Rio de Janeiro e optou pela venda do brechó. “Como tínhamos uma ótima relação, ela me perguntou se eu não queria assumir a loja, comprando o ponto. Na época eu não tinha capital, meu salário dava para pagar as contas. Mas, ao mesmo tempo, vi a oportunidade de mudar minha história de vida, sabia do potencial da loja, que eu poderia trabalhar de forma diferente e alcançar mais pessoas”, diz.

O brechó de Manu Farias é um exemplo de empreendedorismo fashion
O brechó de Manu Farias é um exemplo de empreendedorismo fashion - Divulgação

E em uma conversa com o marido Alan, Manu decidiu usar a rescisão contratual para pagar os custos de aluguel, contas da loja e contadora, e pegar um empréstimo no banco para pagar o ponto para a antiga dona. “Foi o que fiz, peguei o empréstimo parcelado. Mas eu não podia errar, tinha que ser um tiro certeiro, então trabalhei sozinha nos primeiros meses, para não ter tantos custos e fazer um capital”, finaliza a empresária.

O negócio então foi crescendo aos poucos e hoje, com 10 anos de gestão, Manu fatura mais de um milhão de reais por ano. Para chegar nesse lugar de sucesso, a empresária identifica 5 aspectos fundamentais:

  • Autoconhecimento: conhecer seus pontos fortes e limitações e valores pessoais é fundamental para lidar com os desafios. Conhecer e acreditar no produto ou serviço oferecido é crucial para o empreendedorismo fashion ou não;
  • Pensamento positivo: esse sem sombra de dúvidas é o maior aliado diário de Manu. "Cultivar uma mentalidade positiva vai te ajudar a enfrentar os desafios com mais determinação e confiança", diz;
  • Flexibilidade: nem sempre tudo vai acontecer conforme o previsto, então é necessário ser flexível e adaptável diante das mudanças e adversidades;
  • Metas realistas: traçar metas alcançáveis vai ajudar a manter a motivação, sem frustrações;
  • Aprendizado contínuo: estar sempre atualizado sobre as tendências do mercado, buscar novas habilidades, lhe deixará mais confiante;
  • Reconhecimento: conseguir reconhecer, celebrar e ser grato às pequenas vitórias ao longo do caminho, vai deixar a motivação em dia!

Leia também:

Como empreender sozinha? Veja dicas

Transição de carreira: confira os famosos que mudaram de profissão

Maternidade atípica: como é ser mãe de uma criança com TEA? Conheça a história de Michele e Joaquim