AnaMaria
Busca
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaYoutube AnaMariaTiktok AnaMariaSpotify AnaMaria

Compulsão Alimentar: Veja 5 sinais de que você pode ter o problema

Se recuperar da Compulsão Alimentar depende de apoio de pessoas próximas para voltar a ter uma relação saudável com si próprio

Redação Publicado em 06/12/2023, às 10h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Veja 5 sinais de que você pode ter compulsão alimentar. - Unsplash
Veja 5 sinais de que você pode ter compulsão alimentar. - Unsplash

A compulsão alimentar é um problema complexo que afeta muitas pessoas em todo o mundo. Segundo dados da Associação Brasileira de Psiquiatria, estima-se que, no Brasil, cerca de 2% da população sofra com a compulsão alimentar em algum momento da vida. Além disso, a pesquisa revela que a maioria das pessoas que enfrenta esse transtorno não procura ajuda profissional, o que ressalta a importância de conscientizar sobre essa condição e os recursos disponíveis para tratamento. 

De acordo com a psicóloga Vanessa Gebrim, especialista em Psicologia Clínica, a compulsão alimentar é caracterizada pela necessidade de consumir grandes quantidades de alimentos, mesmo quando não se está fisicamente com fome. “Esses episódios podem ser intensos, muitas vezes acompanhados por uma sensação avassaladora de descontrole. Para ser considerada compulsão alimentar, esses episódios devem ocorrer pelo menos duas ou mais vezes por semana”, explica.

Na sequência, AnaMaria Digital lista os principais pontos para quem deseja entender o transtorno. Confira!

1) Compreendendo as origens da Compulsão Alimentar

A compulsão alimentar tem raízes profundas em fatores emocionais e comportamentais. Frequentemente, as pessoas recorrem à comida como uma maneira de lidar com emoções difíceis, como estresse, ansiedade, solidão e tristeza. "Durante os episódios de compulsão, as emoções costumam ser obscurecidas, e a comida se torna um mecanismo de alívio para esses sentimentos negativos. O isolamento social, a tristeza e a culpa muitas vezes acompanham a compulsão alimentar, tornando-a uma condição complexa", entende.

2) Sintomas da Compulsão Alimentar

Eles são variados, mas todos eles envolvem uma sensação avassaladora de descontrole e falta de capacidade de interromper o consumo de alimentos. “A compulsão alimentar pode afetar a aparência física, ter consequências emocionais e impactar severamente na interação social da pessoa. Isso porque é comum que indivíduos que estão passando por esse problema não mantenham vida social ativa por vergonha ou medo do descontrole alimentar na frente de outras pessoas, como familiares e amigos. Entre os principais sintomas dessa doença estão: comer mais rápido que o normal; alimentar-se quando não está com fome ou continuar comendo mesmo saciado; comer escondido; sentir-se triste ou culpada (o) por estar comendo”, indica Vanessa.

3) Gatilhos para as compulsões

A compulsão, muitas vezes, é despertada por eventos traumáticos ou mudanças emocionais drásticas que afetam a saúde mental. Mudanças emocionais como términos de relacionamento, situações de aflição e angústia estão ligados à compulsão alimentar. Quando a comida é utilizada como suporte emocional, tende-se a descontar frustrações, tristeza e estresse na alimentação. "Depressão, ansiedade, baixa autoestima e traumas também podem desencadear quadros de transtorno alimentar. Não estar satisfeito com a aparência do próprio corpo é um dos fatores de risco da compulsão alimentar. Esse problema é mais comum entre adolescentes e jovens, pois a estrutura emocional ainda está em formação”, revela.

4. Encaixe nos padrões de beleza

A saúde mental estar tão atrelada aos nossos hábitos alimentares está diretamente ligada há séculos de criação de um ideal de beleza inexistente e tóxico. Tentar constantemente se encaixar nos padrões de beleza também pode levar ao desenvolvimento de outros problemas alimentares como bulimia e anorexia. “O tempo todo, nas redes sociais e mídia, surgem novas dietas seguidas por modelos e atrizes, na maioria das vezes muito magras, associando magreza à saúde. No entanto, essa é uma ideia distorcida de corpo saudável e a privação de comida visando emagrecer pode gerar episódios de compulsão”, aponta a psicóloga.

5. Aprendendo a amar seu corpo

A recuperação está ligada à reconstrução de sua autoestima. “O melhor método é fazer psicoterapia e também frequentar grupos de apoio. Ao descobrir que não está sozinho - contando com uma rede de pessoas que lhe entendem e acolhem - você renovará suas forças para enfrentar a compulsão alimentar”, aconselha.

Ainda assim, o apoio da família e amigos é essencial para voltar a amar seu corpo. “Colocar -se à disposição para ajudar: em muitos casos pode haver a necessidade de redução temporária de alimentos na casa que causem possíveis gatilhos em quem tem compulsão alimentar, e isso altera – e muito – a rotina da casa. Por isso ter paciência, e respeitar esse período será fundamental. Sabe aquele pudim que a família ama? Aquele passeio naquela padaria? Talvez seja um fator muito delicado para a pessoa em tratamento, que tal dialogar sobre o cardápio familiar e chegar em acordos? Isso inclusive pode ser construído em sessão com a nutricionista”, finaliza Vanessa Gebrim,

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!